Something about nothing with a little of anything…

07/04/2009

Os problemas caminham junto com suas soluções

Filed under: Something... — Ana Cláudia @ 23:16

Tem alguma coisa errada. Isso é certo. Para todo problema há uma solução. A menos que não seja um problema. E se não é o problema, é a solução! Pois então qual será a solução para o meu problema? Ou talvez o problema para a minha solução? Pois então qual é o problema (ou a solução)? A falta de concentração. Falta de concentração em que? Falta de concentração em tudo. Em tudo o que? Em tudo nada, pois não a tenho em nada a não ser em não tê-la. Por não haver nada o que fazer, muitas tarefas foram inventadas. Todas importantes. Ou melhor, todas com o mesmo nível de importância. E qual é esse nível? Nenhum. Pelo fato de nada ter importância, faz-se importante dar toda a importância a todas as coisas.

Por não haver uma ordem de importância (ou de “desimportância”) não sei por onde começar, já que se deve começar por onde for mais importante. Assim não sei qual das tarefas executar primeiro e então tento todas ao mesmo tempo. Porém não há espaço para todas. Então tenho que mudar de estratégia. Agora então uma de cada vez… Quando começo uma, penso logo na outra, e esta me parece mais interessante, então troco logo de atividade.

Muito bem, mais uma obra inacabada nessa vida. Sem problemas, isso não muda nada. Nada o que? Nada nada. O que é nada? Nada é tudo, nesse mundo tão hipócrita. Hipócrita em que? Hipócrita em tudo, talvez até em dizer que é hipócrita.

De que adiantou se fazer tudo se nada foi feito de fato? Nada se resolveu, quando se tentava resolver tudo. Porém, o objetivo está sendo parcialmente alcançado. Que objetivo? O objetivo de se passar o tempo. Só isso? Tão simples! Não, o objetivo de se passar o tempo sem a sensação de que ele está se passando em vão. O que é objetivo? Uma coisa que se almeja para se obter realização. E para que isso? Para se esquecer da hipocrisia, talvez. Esse texto tem um objetivo? Sim, é claro. Fazer o leitor se sentir um bobo por lido até aqui? Não, é claro. O objetivo é resolver o problema. Que problema? ¬¬ O problema que deu origem ao texto, que foi citado no começo.

Um problema é também a confusão desse texto não é? Seria ele um diálogo? Não sei. Tire suas próprias conclusões. Na possibilidade de ser um diálogo, quem são os interlocutores? Eu e eu mesma. ¬¬’ . E qual é a diferença entre você e você mesma? Eu sempre tenho as perguntas, todos os minutos da minha existência, fervilhando na minha mente. E eu mesma sou outra parte de mim que procura responder minhas perguntas, mesmo sabendo que algumas respostas estão erradas e não sabendo as respostas certas. Por que age (ou agem) dessa forma? A resposta para essa pergunta apenas uma terceira Ana tem. Onde está ela. Ainda não existe.

Mas o fato de o texto se assemelhar a um diálogo (ou um monólogo) não é o problema. O problema é a falta de concentração não é? Errado. Esse era só um pretexto. Um ponto maximizado dentro de um grande problema. E qual é o grande problema? É grande demais para ser visto ou contado. Talvez a terceira Ana pudesse explicar. Mas na verdade o problema foi sim, em parte, resolvido. E nesse momento se torna então a solução. Porque vira agora o primeiro texto do meu blog. Porque seria um grande problema escolher qual seria o primeiro texto. Já que o primeiro deveria ser especial por algum motivo, não? Não tenha certeza. Mas o primeiro diria, ao menos supostamente, algo sobre o autor, mesmo que apenas nas entrelinhas, não? Um autor que é desconhecido pelo leitor. Ooouu não… Não tenha certeza…

Anúncios

4 Comentários »

  1. Olá… Não conheço a autora, mas me parece que ela também está conhecendo a si mesma, logo me sinto mais tranquila, até petulante, deixando meu comentário… Espero que encontre as respostas, mesmo que não existam perguntas… Espero q encontre o sentido de sentir… Espero q tenha paciência de esperar o inesperado – ou muito esperado. Espero ler mais aqui e talvez encontrar eco de algumas de minhas próprias questões… Gostei deste primeiro momento… E, estou curiosa: Quem anda inspirando escritores como vc e o Caio ( do Dicas práticas sobre nada? )… Estou quase assustada com esses pequenos gênios não tão solitários…
    Gostei… É isso.

    Comentário por Kely Medeiros — 08/04/2009 @ 20:24 | Responder

  2. \o/ legal!!!!
    Tambem concordo com a Kely, esta muito bem escrito!
    o// parabéns!!!!!!
    *¬* sugoe… vc escreve legal…

    Comentário por ^.^V — 08/04/2009 @ 22:50 | Responder

  3. Isso sim é um texto que fala muito pouco com muitas palavras!!! Oo

    Comentário por Ana Cláudia — 10/04/2009 @ 09:35 | Responder

  4. Eu uso mais palavras pra dizer bem menos, bobona! >=P

    Comentário por Caio — 10/04/2009 @ 20:41 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: